De que maneira atingir novos mercados na advocacia?

O Brasil tem mais de 1 milhão de advogados 😱, o que leva qualquer um que se depara com essa cifra a deduzir que o mercado está saturado e que as chances de atuação com algum destaque são reduzidas. Será mesmo que não há possibilidades de oferecer serviços jurídicos inovadores capazes de diferenciar o profissional da maioria? Perseguir a resposta para essa pergunta instigante tem sido o desafio dos participantes do Programa de Inovação LPBK. Os 6 grupos que toparam o desafio de empreender já estruturaram uma prévia dos seus modelos de negócios e agora partem para a segunda tarefa: fazer um estudo para descobrir novos mercados. Será que eles vão conseguir?

Antes de ir para as ruas iniciar a pesquisa, o time de futuros empreendedores contou com uma baita ajuda! 💪 Nós convidamos o Henrique Flôres, co-fundador da Contraktor, para dar dicas aos participantes sobre como desbravar novos mercados. A legaltech de contratos digitais inteligentes surgiu em 2016 quando Flôres e o sócio, Bruno Doneda, decidiram trocar o escritório de advocacia pelo empreendedorismo. Na época, eles miraram inicialmente no próprio mercado jurídico, mas a estratégia de vender software para uma área até então muito conservadora não saiu como o planejado… Não havia outra saída a não ser buscar outros mercados.

E agora, o que fazer?

Ao se deparar com uma hipótese que não foi validada pelo mercado, o empreendedor deve acender o sinal de alerta. Muitas vezes, insistir na ideia representa perda de tempo e dinheiro, dois recursos escassos diante dos desafios da jornada empreendedora. O desenvolvimento de clientes (customer development) é um processo contínuo que deve ser de responsabilidade dos próprios fundadores do projeto, pois são eles que detêm a visão e conhecem bem a proposta de valor que deve ser ratificada perante os potenciais consumidores do produto ou serviço.

Na primeira semana do Programa de Inovação LPBK, os participantes buscaram identificar as dores do mercado a fim de oferecer um modelo de negócios que traga efetivos ganhos aos clientes. Essa imersão em busca dos early adopters ou early evangelists, isto é, dos clientes que estão dispostos a sair na frente ao adquirir produtos e serviços inovadores, é um processo que requer disposição e energia por parte do empreendedor, com aplicação de questionários e entrevistas, entre outras técnicas, com o maior número possível de potenciais interessados. No mais novo desafio, os participantes devem olhar para um cenário maior, a exemplo do que a Contraktor fez ao garimpar outros mercados.

Método Bill Aulet

O empreendedor Bill Aulet desenvolveu 24 passos para criar um negócio bem-sucedido, mas não se engane com a simplicidade aparente de seguir as instruções de um método. Na prática, o caminho até o sucesso é tortuoso. Com base nos ensinamentos de Aulet, os participantes do Programa de Inovação LPBK realizaram uma oficina que ajuda a buscar insigths para novas possibilidades de mercado. O objetivo da dinâmica foi extrair o chamado mercado beachhead,  aquele “cabeça de praia”, ou seja, o que será primeiramente “atacado” pelo empreendedor, permitindo visão estratégica para os demais. Essa habilidade de criar hipóteses aponta para outras saídas criativas caso uma delas não encontre a devida validação.

Quem é seu cliente ideal?

Além de um estudo de mercado, os participantes do Programa de Inovação LPBK devem apontar o perfil dos seus clientes ideais, o que é chamado de “buyer persona“. Não se trata apenas de uma identificação genérica ou mera suposição. É preciso trazer informações concretas das ruas, com entrevistas e pesquisas, que permitam identificar padrões e agrupar os perfis com a definição de uma persona ideal.

Será que os participantes vão surpreender na segunda tarefa? Continue acompanhando o Programa de Inovação LPBK.