Participantes do Programa de Inovação LPBK realizam primeira banca de pitch

As competências técnicas dos advogados são desenvolvidas ao longo de 5 anos de preparação na faculdade, mas o mercado tem exigido outas habilidades para que o profissional se destaque. Quem quer empreender na área jurídica, por exemplo, precisa saber o que é pitch. O termo vem do mundo das startups e significa uma apresentação do modelo de negócios para investidores. No Programa de Inovação LPBK, que ajuda jovens advogados a empreender, chegou a tão esperada primeira banca para os sócios do escritório.

O momento celebra um mês de preparação e mentorias. Os participantes entraram no programa apenas com uma ideia de negócio jurídico inovador (relembre aqui). Após participarem das oficinas de capacitação, passaram a desenvolver um modelo de negócios que seja viável e que possa se tornar o futuro departamento jurídico da LPBK Advogados Associados. Na avaliação dos sócios do escritório, o resultado foi surpreendente.

Banca de pitch

Na primeira apresentação dos participantes do Programa de Inovação LPBK, marcaram presença os sócios da LPBK, Drs. Marcos Lessa, José Antônio Araldi e Luiz Fernando Brusamolin e, ainda, as Dras. Andrea Grabovski e Priscilla Rodrigues. Além disso, também participaram os idealizadores do projeto, Maurício Kavinski e Rhodrigo Deda, e a mentora Mariana Faria. Essa fase não tem caráter eliminatório e todas as 5 equipes avançam para o segundo mês de qualificação dos modelos de negócios.

De acordo com o edital do programa, na etapa de “Descoberta”, os participantes tiveram de “levantar informações sobre o mercado em que preferem atuar, visando identificar riscos, oportunidades e diferenciais necessários para que possam se posicionar de forma estratégica”. Além disso, foram avaliados por seu “espírito de empreendedorismo, posicionamento, inovação, conhecimento jurídico e de mercado”.

Apresentações

A primeira equipe a se apresentar foi a L.A. Music. Com o propósito de ajudar músicos a “viver de música”, Luiz Ferreira, Rangel Trindade e Marcus Borky propuseram um projeto de um departamento jurídico na área de Direito do Entretenimento, principalmente para auxiliar no cadastro de obras e fonogramas musicais perante o Ecad.

Em seguida, o time Start Law apresentou um projeto voltado para startups. A dupla Nicolas Fabeni e Thales Farias pretende “consolidar as ideias que transformam o mundo” com apoio jurídico especializado aos negócios inovadores.

Já a Adimplano, de Gabriel Sanson e Plinio Hayashi, aposta na assistência jurídica ao devedor de boa-fé, com um planejamento de pagamento de dívidas, educação financeira e recuperação da pessoa física.

A DescomplicON prioriza as mulheres em situação de violência doméstica que buscam se divorciar. A ideia é capitaneada por Márcia Vieira, que pretende oferecer um atendimento jurídico on-line de mulher para mulher.

Por fim, a Arbi-On objetiva desbravar um mercado pouco explorado no Brasil, que é o de arbitragem on-line, um método de solução de conflitos privado e que, portanto, dispensa a intervenção Poder Judiciário. Luiza Adena Engers e Rômulo Pagnozzi estão à frente da pesquisa de mercado e da proposta.

Gostou das propostas dos participantes do Programa de Inovação da LPBK? Continue acompanhando os projetos.